Por falar em..ser e não ser.





Sobre as coisas que deveriam ser e não são.  A gente deveria ser e uma porrada de outras coisas.
 Eu deveria ter dito. Eu deveria não ter dito. Eu deveria ter ido. Eu deveria não ter ido. Se eu pudesse tinha amado mais. Tinha me declarado menos. Se soubesse nunca teria me apaixonado. Se ele mudasse de ideia, eu mudava de vida. Se ele respondesse as mensagens depressa. Se ela não me ligasse tanto. Se eu não me sentisse sozinha nos fins de semana. Se ela não tivesse ciúme. Se ele fosse menos grosso. Se ela não fosse tão grudenta. Se ele fosse mais romântico. Eu quero sair. Ele quer ficar em casa vendo filme. Ele é tão sério. Ela é tão palhaça. Ele não aguenta mais. Ela já arrumou as malas umas 100 vezes. Se os silêncios não magoassem. Se as respostas não ofendessem. Se ela não reclamasse tanto. Se ele fosse talvez mais atencioso.

A questão é que nada mudaria os rumos dos fatos, se não fosse pra ser e pronto. Ela só quis acertar em cada momento. E ele sempre foi tão esperto. Ela vai chorar anos e esquecer. Ele vai chorar um dia e não vai esquecer nunca. Se ela não fosse talvez a mulher mais meiga do mundo. Se ele não fosse tão lindo ao sorrir. Se ela não gostasse tanto. Se ele tivesse pronto. A gente estaria a essa hora com os pés na parede admirando o teto, falando da vida. Mas acontece que não, eu estou em casa fazendo poemas. Ele bebe em um bar. Eu choro a noite toda. Ele sorrir até a barriga doer. Mas se eu tivesse usado aquele vestido, mudado o brinco? Se eu tivesse dado aquelas flores pra ela e tocado violão? Se eu não tivesse deixado sufocar? Se não tivesse deixado chegar a esse ponto? Ia completar meia hora de tanto olhar pro teto e a gente nem ia notar, ia passar uma vida e nossas mãos não iriam largar. Acontece que ela ta lá e eu tô cá. Ela marcou um jantar, e a comida apodreceu na geladeira. Ele marcou um cinema e nunca mais tocou no assunto. Se o jantar tivesse pronto? Se o cinema tivesse acontecido? Que vida teriam? Quem seriam?

Eu quero ele agora e não consigo querer mais nada na minha vida. Eu não queria tá tão arrependido. Mas não vou falar. Eu também não vou falar. Deixa o tempo. Deixa a vida. E se as coisas tivessem sido ditas? Eu não sei. Eu quero tantas coisas, simples. Eu quero coisas complicadas demais. Ele não entende. Ela não entende. Ele faz uma falta danada, de noite, de dia, de madrugada. Ela faz um buraco, me derruba da calçada, me atrasa. Eu quero ser feliz. Felicidade é tão simples e ele complica. E se eu tivesse sido mais ousada? E se eu não fosse tão exigente? Se ele fosse mais? Se ela fosse menos?

Eu queria ele enchendo meu saco. Eu queria ela enchendo minha vida. Eu colocaria o vestido. Eu entregaria as flores. Eu trocava o brinco. Eu tocava o violão. E se eu mandar mensagem? E se eu ligar pra ela? O que ele vai pensar? Ela vai me atender? Se eu grudar menos nele? Se todos os meus fins de semana forem dela? Eu gosto dele mais que nunca. Ela realmente é a mulher da minha vida. Ele achou que eu não teria coragem. Eu sabia que ela estava por um fio. Ele é doido. Ela é uma boba. Eu não vou mandar mensagem. Eu não vou ligar. Eu resisto bem. Eu tô me corroendo todo.  Vou encontrar ele. Vou encontrar ela. Vai ser tarde demais. Vai ter passado tantas noites. Vamos nos olhar e nos cumprimentar como se nada  tivesse acontecido. E vamos ser estranhos tão conhecidos. Por que a gente morre no desejo?

Comentários

Postagens mais visitadas