30/07/2014

Por falar..queda.





Não preciso de ajuda. Preciso de um mundo novo com pessoas boas. Não precisa ser pessoas novas, pode ser as velhas numa versão boa.

 Eu to caindo a um tempo e to cansada de cair, preciso chegar logo no chão e sentir a queda, o tombo, a pancada. Eu pensava que já tinha sentido todas as dores, mas toda vez que paro pra pensar acho mais alguma dorzinha, ou é a mesma de sempre disfarçada. Só sei que dói.
 Não me mostro mais. Não quero mais falar o que eu sinto. Não quero mais opinar sobre nada. Não quero mais escrever, olha só o que o mundo fez comigo. Quero ficar quietinha, deitada na minha cama com um copo de leite quente do lado. Não quero a Tv, nem o celular,muito menos o computador.
 Eu sempre soube da ruindade do mundo, o que eu não sabia é que piorava, e agora que eu sei, sei também que ainda vai piorar bastante. E sim. Tenho medo. Bastante medo.
 O que eu costumava sentir pelas pessoas era uma coisa boa. Mas não mostro mais o que eu sinto porque agora eu vejo que tudo é muito ruim pra entender uma coisa boa. Então eu deixo pra mim. Eu sei que eu  não sou 100% boa, mas não deixei de ter sentimentos. Eu sinto por tudo. E sinto muito por isso.





18/07/2014

Por falar em traços de cansaço.



Eu sei que você sempre foi insegura e lenta e idealista. Que se deixou manipular e usar algumas vezes e, noutras, nem sequer observou o que estava acontecendo. Criou malícia para sobreviver aos dessabores e foi desacreditando da bondade. Eu sei que você emprestou e alguns não te devolveram. Que apostou, mas apostou em enganos. Eu vi você entregar a confiança, o coração e a alma. Você contou os dias para o seus aniversários e calculou as horas para o próximo encontro. Quis ser publicitária, advogada, atriz queridinha de Hollywood e até testadora de videogames. Mudou de filme favorito algumas vezes e leu menos livros do que gostaria.

Você nunca teve um amor de verão e em suas orações já pediu por uma história pela qual valesse a pena ter existido. Você é cheia de ideias que nunca coloca em prática. Tem medo de se expor e ser criticada. Costuma soltar sinceridades que, de vez em quando, não são bem recebidas. Mas também já mentiu, já iludiu, já omitiu. Eu sei que o peso do mundo lhe quebrou por mais de uma oportunidade e você achou que jamais se recuperaria, mas eu vi você juntar cada estilhaço e se fortalecer com a experiência do dano.
Você conheceu e desconheceu pessoas. Guardou saudades no fundo da gaveta e depois esqueceu. Brincou de ser gente grande até ter que levar o assunto a sério. Você acredita em aventuras, mas parece que nunca as vive. Sente que está parada, mas não faz ideia de como sair do lugar. É do tipo que luta pelas pessoas mais do que pelos sonhos e se pergunta a todo o momento se está fazendo errado. Você já defendeu uma visão mais otimista da vida, mas ainda faz questão de sustentar esperanças até o último milésimo. Alguns hábitos nunca mudam.
Eu sei que você não lembra direito de quem era antes da faculdade, da morte do pai, do primeiro beijo ou do menino que poderia ter sido o homem da sua vida, se ele quisesse. Mas ele não quis. Você sabe que poderia ter chegado mais longe e sente medo do que pode incidir, ou não, se não mudar a estratégia logo.
Talvez, se você conseguisse olhar para frente sem se sabotar... Se houvessem meios de dar o primeiro passo sem esperar por ninguém ou por algum milagre, você descobrisse a coragem que ainda reside por dentro. Que este ainda não é o fim da linha. Que os quase vinte e tantos não lhe fazem velha de mais para realizar.
Dá pra ser forte sozinha, moça. Dá pra amar sozinha, a si mesma, e ser feliz pelo resto da vida. Buscar isso no outro é dar crédito demais a um compromisso que é inerente a cada um consigo mesmo. Você anda desequilibrada, moça. Precisa de algo além do espelho para se enxergar. Tente meditação, acupuntura, psicoterapia, homeopatia, dança, baralho. Procure o que lhe faz mal e jogue no lixo. Vá atrás da pessoa certa, vá atrás de você. Não se abandone, não. Não desista, não.

Você acha que já viveu demais, mas dá para começar do zero. Contanto que você ofereça o máximo, que tente o quanto der, enquanto der, está fazendo sua parte e é o que importa. Corra o seu caminho que o mundo ainda é bonito, moça. E ainda existe futuro. Ainda existem sonhos. Ainda existe amor pra você.

".Nobody said it was easy
No one ever said it would be this hard
Oh take me back to the start.."
 -Coldplay

05/07/2014

Por falar em beber expectativa.





- Você ainda tá bêbado?
- Um pouco.
- Então, amanhã você vai se arrepender de estar falando tudo isso.
- To sóbrio o suficiente para saber que te amo.
- Você me conhece há menos de vinte e quatro horas.
- Foi amor a primeira vista.
- É só paixão pós sexo, logo passa.
- Você não é nada romântica, sabia?!
- Nem você.
- To dizendo que te amo.
- Seria melhor se você dissesse que eu transo bem pra caralho, amor de mentira só faz bem pra vaidade. Além do mais você está bêbado.
- Já falei que eu to meio bêbado.
- E isso com certeza faz toda a diferença.
- Você transa bem pra caralho.
- Eu sei, mas obrigada.
- E eu?
- O que tem você?
- Transo bem?
- Muito melhor do que eu imaginava.
- Como assim?
- Não achei que fosse ser tão bom.
- Então por que veio pra minha casa?
- Acho que bebi demais, e também porque você é bonito pra porra.
- Só bonito?
- Seu papo me confunde, me desculpe.
- Você também é bonita e se não fosse tão metida seria melhor.
- Não sou metida.
- Fala sério você é insuportavelmente metida.
- Então por que me trouxe pra sua casa?
- Além do fato de você ser bonita?
- Sim, ou me trouxe só porque sou bonita?
- Queria descobrir o que tinha além desse seu papo mamão com açúcar sobre viagens e livros chatos.
- Livros chatos?
- Pra cacete.
- Não acredito que você acha o meu papo mamão com açúcar.
- Você é metida, e também metida à dona da razão.
- Claro que não!
- É sim.
- Você não tem noção do que está falando.
- Ta vendo só?
- Eu não sou... ah, talvez eu seja um pouco, mas só um pouco, dona da razão demais.
- É, talvez...
- Então eu sou chata?
- Te amo.
- Para com isso...
- Com o que?
- De ficar falando que me ama.
- ...
- ...
- Aguenta mais uma?
- Você vai parar de ficar falando que me ama?
- Por que eu não posso falar que te amo?
- Porque você não me ama.
- Como você pode saber que eu não te amo?
- É que eu sou a dona da razão.
- Ta, essa foi boa.
- Tenho uma metáfora pra explicar o amor.
- Qual?
- É clichê demais.
- Mas eu quero saber.
- Promete que não vai rir?
- To bêbado, não posso te garantir nada.
- Você ta só meio bêbado.
- É verdade, to meio bêbado, mas tanto faz, fala sua teoria e eu tento me controlar.
- Ta bem, vamos lá. O amor é igual uma florzinha, para que ele nasça o solo tem que ser favorável, ou você já viu planta nascer em cimento? É, então, tem que ter alguém pra regar também, se faltar água a semente não vinga. Você não pode comprar uma semente de flor hoje e esperar que amanhã já esteja nascendo o primeiro botão. Por isso você não pode me amar.
- Então antes do amor ser amor ele é uma semente?
- Sim.
- Que alguém tem que plantar?
- É.
- E regar todo dia?
- Exatamente.
- Bem, é uma boa metáfora.
- Também acho, é minha, afinal.
- Então você tem razão.
- Quanto ao que?
- Não te amo.
- Pois é.
- Acho que eu to ficando sóbrio.
- Isso é ruim?
- Talvez.
- Por quê?
- Ta me dando sono.
- Quer que eu vá embora?
- Você pode dormir aqui, se quiser.
- Prefiro ir pra casa, tem algum telefone de táxi?
- Você ficou brava?
- Por que você me mandou embora da sua casa? Claro que não.
- Falei que você pode dormir aqui.
- Não quero.
- Para de ser tão irritante.
- Te disse que você ia se arrepender.
- Não me arrependi.
- Ta bom.
- Juro que não.
- Vou pedir um táxi.
- Fica.
- Não dá.
- Dá sim, até porquê ta tarde, eu não tenho telefone de táxi e bebi demais.
- Tem certeza?
- Amanhã te levo, fica tranquila.
- Ta bem, amanhã bem cedo.
- Você quem manda.
- Só porquê ta tarde.
- Tudo bem.
- Mas se você preferir eu do um jeito.
- Aguenta mais uma?
- Você não ta cansado?
- To.
- Então até amanhã.
- Até.
- Posso apagar a luz?
- Pode.
- Boa noite.
- Boa noite.
- ...
- ...
- ...
- Ta acordada?
- Uhum.
- Acho que você é a minha semente, quero plantar você e te regar todo dia.