Por falar em..hospício.




O primeiro poema,uma nova dor e mais uma experiência que gostaria de esquecer:

redonda acende no céu lindo
e espia cuidadosamente,
esta solidão longe do findo
que tornou-se confidente,

ao cair busco pelo estável
escondido, finamente rindo
eu um ser tão abalável
vou me autodestruindo

mas de verdadeira ajuda, há uma brisa
que limpa a sujeira da áurea,
o cérebro ainda sensato
pede um pouco mais de calma

para o coração fragilizado
que já não escreve pelos cantos
sem acolhimento e sem amor,
no hospício fico aos prantos.

Comentários

Postagens mais visitadas